sábado, 16 de fevereiro de 2008

Crítica aos filmes "Quem somos nós" e "O Segredo"

Inicialmente devo esclarecer o tema dos filmes, pois eventualmente alguns de vocês poderão não conhecê-los.

O filme "Quem somos nós" fez pouco sucesso no Brasil pois não passou no cinema, mas pode ser encontrado em locadoras e circulando em meios alternativos. Trata-se de um grupo de médicos e cientistas que se juntaram para fazem um filme misturado com documentário que defende a idéia de que a física quântica explica que você pode alterar a sua realidade de maneira fantástica, só depende da força da sua mente.

O filme "O Segredo" fez mais sucesso. Ele defende uma idéia similar, de que você atrai tudo o que você pensa. Com o detalhe adicional de que essa idéia era conhecida desde a antiguidade, pois fora gravada em uma tábua de esmeralda pelo próprio deus Hermes.

Considero o caso do filme "Quem somos nós" mais grave, pois alguns "cientistas" se aproveitam da dificuldade que a grande maioria da população tem de entender os avanços mais modernos da física. Nem todos tiveram a oportunidade de estudar física quântica na faculdade, e daí essa teoria é aceita pela população sem que haja compreensão, quase que como se fosse fé.

Vou tentar driblar esse problema explicando onde a teoria do filme "Quem somos nós" erra. Há uma cena em que um menino aparece jogando basquete em uma quadra e o filme mostra que a bola de basquete tem uma probabilidade de estar em vários lugares ao mesmo tempo. É o exemplo que eles usaram para explicar o efeito da dualidade onda-partícula, explicada em 1925 por Schrödinger e Heisenberg. A luz, que é uma onda eletromagnética, apresenta em certos experimentos um comportamento de partícula, a qual chamamos de fóton. Em 1929 Luis de Broglie descobriu que os elétrons, que são partículas, também apresentam comportamento de onda eletromagnética em certos experimentos. De Broglie ganhou o prêmio Nobel concluindo que todas as formas de matéria têm propriedades ondulatórias e corpusculares ao mesmo tempo. Outra característica interessante que foi descoberta por Heisenberg, o princípio da incerteza, diz que é impossível descobrir a posição e a velocidade de um elétron ao mesmo tempo, pois quando você tenta observa um elétron, você precisa jogar luz sobre ele e esta luz acaba alterando a posição ou a velocidade do elétron. Por isso define-se apenas uma região onde há uma probabilidade maior do elétron estar. Portanto o filme tentou dizer que a "bola de basquete" teria também uma região de probabilidades de onde se localizar, e até poderia ser percebida à distância devido à sua onda eletromagnética característica. Será que você poderia então alterar a posição da bola com sua vontade, ou jogando luz sobre ela?

O problema é que não se pode extrapolar para uma bola de basquete, ou uma pessoa, os efeitos que ocorrem com elétrons e fótons. As equações que descrevem os efeitos da física quântica se tornam iguais às leis de Newton quando a massa e a velocidadeque se utilizam nelas é da ordem de grandeza de uma pessoa. Por exemplo, frequência da onda eletromagnética emitido por uma pessoa andando é muito baixa, indetectável. Somente com massas minúsculas e altas velocidades como as dos elétrons, os efeitos quânticos entram em ação. Além disso, se você jogar luz em mim isso não afetará a minha velocidade, como acontece com os elétrons, portanto não faz sentido falar na região de probabilidade da minha posição. Mas se você conseguir empurrar alguns elétrons com a força da mente, por favor me avise que eu quero ganhar o prêmio Nobel junto com você.

Referência: "Física 4 - Física Moderna, Relatividade, Física Atômica e Nuclear", Serway, 3° edição, pág 64

3 comentários:

José Araújo disse...

Acho interessante o fato de criarem um deus quântico para que a ciência continue presa ao criacionismo cada vez mais sem espaço para sua própria sobrevivência. Novas religiões surgem para que não se evapore os crédulos de carteirinha.

Unknown disse...

Parabéns pelo texto! Essas publicações idiotas e romanticas como O SEGREDO ou QUEM SOMOS NÖS tentam confundir o leigo das leis físicas com espiritualidade pronunciando bobagens que a maioria gosta de ouvir por ter preguiça de pensar e pesquisar e princiaplamente coragem de duvidar!

Galo-sem-cabeça disse...

Qualquer hora volto aqui para contar a hist[oria de um amigo meu que se fanatizou por esse filme... Pra ele, quem n'ao acreditar piamente no filme pode ser considerado um/uma galo/galinha sem cabeca... Serio, ele viu em outro videos que um galo (ou galinha), numa fazenda dos EUA, viu alguns meses sem a cabeca, por tanto sem o lobulo frontal que seria capaz de `colapsar a realidade` (tudo termos do filme). Quem nao acreditasse no filme seria (igualmente a mim) um `galo-sem-cabeca`... E ele ficava bravo se duvidasse das experiencias do Massari Moto (ou coisa que o valha)...